quinta-feira, 9 de outubro de 2014

VIDA EM COMUNHÃO: SINAL DE UNIDADE!

N
Este final de tempos, temos diante  de nós, o triste quadro estatístico do crescimento da violência e do desrespeito aos direitos humanos. O homem, apesar de ser um “ser” racional, se comporta como uma besta-fera, o qual, sem misericórdia, dizima e abate seu próximo. Como Igreja, temos o desafio de nos posicionar contra este terrível conflito social, que tem hoje deixado as pessoas com muito medo e propensas a tornarem-se insensíveis e cínicas ao mal que nos assola.
          Jesus disse que “nisto conhecereis que sois meus discípulos, se tivermos amor uns pelos outros...” (Jo.13.35). A maior marca do discípulo, daquele que segue a Jesus é o amor. O apóstolo Paulo em seu tratado sobre o amor em 1 Coríntios 13, diz que o amor é benigno, é paciente, não é ciumento, não procura seus interesses, não é soberbo, etc. O amor deve ser a maior marca de uma igreja. Amar quem nos ama, já não tem sido muito fácil, imaginem, amar nossos inimigos. Não é fácil amar as pessoas que nos incomodam, que nos fazem mal. Amar nestas circunstâncias de inimizade, é uma linda demonstração de como o caráter de Jesus está sendo formado em nós; é uma demonstração de como a vida de Jesus, deixa em nós traços de excelência e misericórdia.
          Amados, se quisermos influenciar o mundo necessitamos ser mais sensíveis aos nossos “domésticos”, e neste grupo está incluído, nossa família e nossos irmãos da Igreja. É uma incoerência dizer que estamos dispostos a amar os perdidos, se não conseguimos amar aqueles nos quais comungamos semanalmente. Note, que na Igreja Primitiva, além da Palavra e da Oração, eles tinham como marca distintiva, a Comunhão. Uma comunhão viva, alegre, contagiante e autêntica. Aqueles crentes atraíam a simpatia de todo o povo, porque eles se amavam. Não era algo forçado, imposto, mas era uma prática espontânea, fruto do amor e da misericórdia de Deus, em suas vidas. O amor e a comunhão são elementos provenientes da graça preciosa de Jesus Cristo em nossas vidas. Nos amamos, porque Ele nos amou primeiro. Quem ama é nascido de Deus, pois nele está a divina semente.


          O cristão que tem um coração amoroso, não gosta de briga, de dissenções, de mostrar que é o “tal”; não gosta de partidarismos,  não gosta do pecado, de injustiça, de divisão, pelo contrário, esta aberto e feliz em ser um agente promotor de comunhão, se depender dele, ele tem paz com todos os homens, sofre o dano, suporta o irmão mesmo como um “fardo”. Ser cristão maduro é estar aberto para o trato de Deus nas relações humanas, amando e considerando o nosso próximo superior a nós mesmos, o contrário a isto, cheira religiosidade, legalismo e hipocrisia.
          Que Deus nos dê a graça de experimentarmos em plenitude a vida em comunhão. Comunhão com Deus, que naturalmente desemboca em comunhão com o próximo. Só assim Deus ordenará a bênção e a vida para sempre. Que Deus nos ajude. Amém.

Rev. Gilberto Pires de Moraes.