quinta-feira, 9 de outubro de 2014

OS PEQUENOS GRUPOS NA IGREJA PRIMITIVA!

D
esde os primeiros dias a Igreja reunia-se em lares. Todas as atividades associadas à comunidade dos redimidos realizavam-se nas casas. Partiam o pão juntos, alimentavam-se juntos e louvavam a Deus no culto doméstico (At.2.46,47). Por meio deste compartilhar nos lares, muitas pessoas que não criam foram alcançadas. Os crentes eram estimados por todos, e muitos foram convertidos. A evangelização era um dos resultados do encontro dos crentes nas casas.
           Além de cultuar e partilhar o pão juntos, vemos que os crentes ensinavam e pregavam em suas casas, bem como no pátio do templo (At.5.42).
           A oração era um elemento importante nas reuniões caseiras da igreja primitiva. Um grupo encontrava-se na casa de Maria orando para que Pedro fosse solto da prisão quando, Deus respondeu de forma miraculosa (At.12.12-17). Também a poderosa reunião de oração mencionada após a primeira prisão de Pedro provavelmente ocorreu em um lar (At.4.31).
           Os relatórios sobre o trabalho de Deus eram fatos nesses grupos domésticos. O encontro em pequenos grupos possibilita um compartilhar mais íntimo. Quando Pedro e João foram libertos da prisão, voltaram e compartilharam com os companheiros o  que  Deus  havia  feito (At.4.23). Em At.12.17, Pedro não só relata os acontecimentos ao grupo doméstico, mas diz aos cristãos que os anunciem “a Tiago e aos irmãos” também.
           No N.Testam. existem muitos outros exemplos de reuniões em casas. Paulo estava ensinando em um cenáculo em Trôade na véspera de sua viagem quando Êutico, que dormia, caiu e morreu. Paulo ressuscitando-o e continuou a reunião na casa até o amanhecer, quando viajou (At.20.7-12). Outra vez, em Éfeso, ao dar sua mensagem de despedida aos presbíteros, Paulo lembrou-os de que os ensinava publicamente e de casa em casa (At.20.20).
           A Igreja primitiva era um movimento fundamentado nos lares. Apesar de o ensino e a pregação serem feitos publicamente, no pátio do templo, nas sinagogas e nos camplos abertos, a verdadeira vida da igreja acontecia nas casas. O lar  de Áquila e Priscila foi a base da igreja de Éfeso e, mais tarde, de Roma (1 Co.16.19 e Rm.16.3-5). A igreja de Laodicéia encontrava-se na casa de Ninfa (Cl.4.15), enquanto a igreja de Colossos reunia-se na casa de Filemom (Fm.2).
           Um dos padrões que emerge de um estudo da Igreja do Novo Testamento é o da estrutura complementar dos pequenos e grandes grupos . O culto nos grandes grupos e o compartilhar nos pequenos grupos são estruturas básicas e complementares. Vários dos versículos citados acima salientam esse aspecto da vida da Igreja. “E todos os dias, no templo e de casa em casa, não cessavam de ensinar, e de pregar Jesus, o Cristo” (At.5.24; At.2.46).
           Esse padrão de pequeno grupo-grande grupo foi eficaz tanto para o testemunho quanto para a vida em comum da Igreja. Um dos resultados mais importantes desse padrão foi o surpreendente crescimento da Igreja primitiva.
           Diante destes padrões bíblicos referentes ao crescimento da Igreja, é importante que todos nós como Igreja nos mobilizemos no sentido de resgatar estes princípios para os nossos dias. Ore e se envolva com o desafio do “Discipulado” e do trabalho com pequenos grupos. Isto proporcionará o crescimento integral da Igreja. Que Deus assim nos ajude!

Rev. Gilberto Pires de Moraes